ATENÇÃO: Prazo para submissão de trabalhos prorrogado para 17 de abril de 2017.
Apresentação

Em sua primeira edição, o evento intitulado I Encontro Mídias, Infâncias e Diferenças: audiências e agências em foco busca criar espaços de discussão sobre possibilidades ativas para professores e crianças quanto à criação de conteúdos midiáticos/tecnológicos, reunindo diferentes pesquisadores da área e instituições que vêm desenvolvendo estudos nesse campo, ainda em formação. Na contramão de uma proposta gerada por concepções instrumentais/tecnicistas e imediatistas sobre o saber/fazer docente e das crianças, assim como sobre as mídias - onde a governamentalidade, no dizer foucaultiano, é matriz central e referencial das propostas de desenvolvimento de “materiais instrucionais” ou das “tecnologias assistivas”, por exemplo - o evento procura oportunizar a compreensão de forma mais aprofundada sobre os múltiplos impactos subjetivos nas culturas infantis, assim como a constituição da profissionalidade docente nesse contexto, na tentativa de viabilizar a abertura de um maior protagonismo adulto e infantil, num cenário de consumo de mídias/tecnologias “prontas” que se encontra, via de regra, sendo gestado por grandes empresas, corporações e pelas maiorias culturais/linguísticas. Obviamente, tais instituições não podem refletir as concepções, desejos e a autonomia dos partícipes dos processos educativos (por exemplo, softwares, aplicativos, sites, entre outros objetos digitais, desenvolvidos PARA o professor e PARA as crianças e não concebidos/realizados POR/COM o professor e POR/COM as crianças).

Objetivos
  1. Criação de espaços de discussão sobre agência infantil e docente quanto ao desenvolvimento de diversos conteúdos midiáticos/tecnológicos e processos de audiência, reunindo pesquisadores da área e instituições que vêm desenvolvendo estudos e recursos digitais nesse campo, ainda em formação.
  2. Discussão sobre o protagonismo infantil e cotejamento de movimentos de inclusão na pluralidade nesse âmbito (numa perspectiva antropológica e não através de propostas e concepções de normalização, como destacado em SKLIAR, 2003, e padronização de agências e audiências): pluralidade de semioses, de identidades, de infâncias, de currículos, de escolas, de práticas, produções, experiências, etc.
  3. compreensão de forma mais aprofundada sobre os múltiplos impactos subjetivos nas culturas infantis, a partir de distintas áreas do conhecimento no diálogo com a psicologia, assim como a reflexão sobre constituição da profissionalidade docente nesse contexto, na tentativa de viabilizar a abertura de um maior protagonismo adulto e infantil, num cenário de consumo de mídias/tecnologias “prontas”.
Público-alvo

Professores e pesquisadores da área; produtores de conteúdo midiático-tecnológico; estudantes de graduação e pós-graduação em educação e áreas afins.





Localização

Centro de Convenções da Unicamp
Rua Elis Regina, 131
Cidade Universitária “Zeferino Vaz”
Campinas–SP
CEP 13083-854