Nota da Unicamp sobre condução coercitiva de dirigentes da UFMG

Dirigentes da UFMG foram conduzidos pela Polícia Federal sem convocação prévia para prestar esclarecimentos

07/12/2017 | Atualizada 15/12/2017 - 10:55

[Do Portal da Unicamp]

A Unicamp vem a público externar sua preocupação com o procedimento adotado por agentes da Polícia Federal, que nesta quarta-feira (06) conduziram coercitivamente dirigentes e ex-dirigentes da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) para prestar depoimento na sede da corporação em Belo Horizonte. 

É estranho que o procedimento tenha sido adotado sem a prévia convocação dos dirigentes da UFMG para prestar esclarecimentos, conforme recomenda a legislação.

A Unicamp entende que se tratou de uma exposição desnecessária no contexto de um estado democrático de direito e respeito às garantias fundamentais do cidadão.

Reitoria da Unicamp
Campinas, 07 de dezembro de 2017.

Leia a publicação e mais informações no Portal da Unicamp.


Acesse também:

Manifesto em Defesa das Universidades Públicas Brasileiras, da Faculdade de Educação da Unicamp (FE)

Moção de Repúdio e Solidariedade à Profa. Cynthia Agra de Brito Neves e à Congregação do Institudo de Estudos da Linguagem da Unicamp (IEL), do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Unicamp (IFCH)

Moção de Solidariedade à Universidade Federal de Minas Gerais e de Repúdio à Violação ao Estado Democrático de Direito no País, do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Unicamp (IFCH)

Moção de Repúdio e Solidariedade à Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), do Instituto de Estudos da Linguagem da Unicamp (IEL)