Rede Lusófona pelo Direito à Educação se reúne na FE

Grupo de ativistas se articula internacionalmente para lutar pela educação pública

03/08/2017 | Atualizada 03/08/2017 - 15:55
  • Integrantes da ReLus reunidos. Foto: FE-Unicamp
  • Alfredo Libombo (Moçambique) e Maria Rehder (Brasil). Foto: FE-Unicamp
  • Rui da Silva (Portugal) e Theresa Adrião (FE). Foto: FE-Unicamp
  • Integrantes da ReLus reunidos. Foto: FE-Unicamp


Na última quarta (02), integrantes da Rede Lusófona pelo Direito à Educação (ReLus) se reuniram na FE para diálogo sobre suas estratégias de articulação. A ReLus foi criada em 05 de fevereiro de 2016 com o objetivo de aproximar os países lusófonos na luta pelo direito à educação. Ela é composta por representantes do Brasil, Portugal, Angola, Cabo Verde, Guiné Bissau, Moçambique e São Tomé e Príncipe.

“É uma rede de ativistas que atuam fortemente nos países e agora se articulam enquanto rede para ganhar força nas pautas políticas e também em intercâmbios acadêmicos com o sentido de transformar a situação nos países”, explica Maria Rehder, coordenadora de projetos da Campanha Nacional pelo Direito à Educação e uma das integrantes da ReLus pelo Brasil.

Também participaram da reunião Alfredo Libombo, secretário- executivo do Movimento de Educação Para Todos de Moçambique, Rui da Silva, pesquisador do Centro de Estudos Africanos da Universidade do Porto, e Theresa Adrião, professora da FE e coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Política Educacional (GREPPE).

Saiba mais sobre a ReLus. 

Os três pesquisadores convidados também participarão como palestrantes do V Seminário Internacional de Pesquisa do GREPPE, que acontece em 03 e 04 de agosto de 2017, na USP-Ribeirão. Saiba mais sobre o evento.