Por uma cidade saneada

Criado há 100 anos, Laboratório de Higiene deu origem à Faculdade de Saúde Pública da USP

Thais Rodrigues Marin | 15/02/2018 | Atualizada 07/03/2018 - 11:38

[Da Revista Pesquisa Fapesp | Christina Queiroz | Ed. 264 | Fevereiro 2018]

A intensa movimentação de pessoas entre o campo e as cidades em fins do século XIX desencadeou a eclosão de diversas epidemias no estado de São Paulo. Diante dos casos de febre tifoide, peste bubônica e varíola, as autoridades paulistas decidiram investir em estratégias de saúde pública: criaram em 1892 o Serviço Sanitário, órgão dedicado ao gerenciamento dos institutos Bacteriológico e Vacinogênico, hoje Adolfo Lutz e Butantan, respectivamente; e desenvolveram ações de policiamento e vigilância sanitária de grandes estabelecimentos públicos e privados do estado. A despeito dos esforços, o crescimento desordenado da cidade, o empobrecimento da população e a precarização das moradias nos bairros operários persistiam, aumentando a incidência de doenças e os índices de mortalidade infantil. O estado precisava de uma instituição que formasse médicos especialistas em higiene e saúde pública. Essa demanda foi atendida em fevereiro de 1918 com a criação do Laboratório de Higiene, instituição precursora da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (FSP-USP).

Leia a reportagem completa na Revista Pesquisa Fapesp.