Pro-Posições - v. 24, n. 2 (2013) Dossiê: Formação docente para a diversidade: dilemas, desafios e e perspectivas no diálogo entre Ant

Este número da revista Pro-Posições apresenta o dossiê “Formação docente para a diversidade: dilemas, desafios e perspectivas no diálogo entre Antropologia e Educação”, organizado por Neusa Gusmão. A diversidade na educação, amplamente divulgada nos projetos governamentais, é, na realidade, pouco praticada nas escolas, que insistem, ainda, na homogenização dos conteúdos, independentemente do público a que atendem. Esta situação evidencia uma lacuna na formação de professores que os autores reunidos neste dossiê discutem a partir de pesquisas que destacam o lugar da Antropologia no diálogo com a educação. Os artigos cruzam fronteiras entre países - Brasil, Argentina e Portugal - e, também, entre cidades brasileiras, apresentando experiências que vão desde as desenvolvidas com professores de uma escola estadual do Rio de Janeiro até outras do extremo norte do País, em comunidades indígenas em Oximirá no Pará.

Na seção Artigos, a diversidade também se faz presente, trazendo temas relevantes para o campo da educação em diferentes áreas: saúde e velhice, políticas públicas, leitura e infância, iniciação artística e natalidade.Em Leituras e Resenhas, três livros são apreciados: uma publicação norte-americana, Grant Wood: A Life, e duas brasileiras, De longe e de perto: crítica ao discurso acadêmico territorializado e Educação e Cultura: Brasil e Japão.Importante dar destaque ao Diverso e Prosa, que traz, neste número, o Boletín de la Escuela Moderna, de Ferrer Guardia, publicado em Barcelona em 1091. O texto é comentado na brilhante apresentação de Sílvio Gallo: “Francisco Ferrer Guardia: o mártir da Escola Moderna”. O destaque faz-se necessário, considerando-se que a figura de Ferrer é pouco conhecida no Brasil, sendo raramente citada nos livros de História da Educação. Nas últimas décadas, apenas dois artigos sobre Ferrer foram publicados em periódicos brasileiros, nenhum deles recentemente: “Francisco Ferrer e a pedagogia libertária”, de Maurício Tragtenberg, publicado no primeiro número de Educação e Sociedade, em 1978; e “Educação e Liberdade: a experiência da Escola Moderna de Barcelona”, de Sílvio Gallo, que compôs o número 9 de Pro-Posições, em 1992.

Com esta publicação, esperamos despertar novos interesses pela obra de Ferrer, “tão emblemática quanto desconhecida entre nós”.