Pro-Posições - v. 20, n. 1 (2009) Dossiê Ensino superior e circulação internacional de estudantes: os Palop no Brasil e em Portugal

Esta revista apresenta o dossiê: Ensino superior e circulação internacional de estudantes: os Palop no Brasil e em Portugal, cujos artigos tratam de compreender os efeitos dos estudos realizados, no Brasil e em Portugal, por parte de estudantes universitários africanos. Resultado de pesquisas integradas, estes artigos investigam as transformações operadas nas trajetórias dos estudantes que realizam o processo de circulação internacional, associadas às políticas de qualificação de quadros dirigentes perpetradas pelos países de origem desses estudantes. Tais estudos não deixam de focar, ainda, as condições de acolhida oferecida a essa população — composta, em geral, de estudantes negros — pelos países receptores, Brasil e Portugal, que mantêm políticas de cooperação com as nações africanas de língua portuguesa. O grande mérito dos trabalhos reside em relacionar as políticas oficiais com as disposições presentes na cultura local. Os estudos tratam dos programas de circulação internacional de estudantes de Angola, Moçambique, Cabo Verde e Guiné Bissau.


Na seção de artigos, a revista traz textos escritos a partir de resultados de pesquisas, como o de Jane Paiva e Andréa Berenblum sobre o Programa Nacional Biblioteca da Escola (PNBE), da Secretaria de Educação Básica (SEB) do Ministério da Educação (MEC); ou o de Laura Noemi Chaluh sobre professora e pesquisadora, em que é narrada a experiência de uma pesquisadora que acompanhou por um ano as atividades docentes de uma professora, em sua sala de aula. Em “A educação das famílias pobres como estratégia política para o atendimento das crianças de 0 – 3 anos”, Rosânia Campos e Roselane Fátima Campos examinam como, através do programa patrocinado pela Unesco e pelo Unicef e ratificado pelos fóruns da OEA e da OEI, procura-se imprimir novas normas de conduta, administrando e disciplinando as práticas e as estratégias socializadoras das famílias pobres, transformando o espaço familiar em um espaço pedagogicamente orientado. Dois outros artigos tratam de temas ligados à história da educação brasileira: “História da Educação e História da Filosofia: culturas cruzadas a partir das concepções de história e de escrita da história em Hegel”, de Carlos Eduardo Vieira, discute possíveis impactos da escrita da História da Filosofia sobre a escrita da História da Educação. Em “Práticas disciplinares inauguradas com a República no ensino secundário paranaense”, Serlei Maria Fischer Ranzi e Maclovia Corrêa da Silva estudam as transformações das práticas disciplinares no tradicional ginásio público de Curitiba, no início do período republicano.


A seção Diverso e Prosa publica mais um documento histórico. Desta vez é uma carta de Bakunin ao anarquista e geógrafo francês Elisée Reclus, em que o autor faz um rápido balanço das condições políticas internacionais da época.